APOSTAS DA MODA MASCULINA PARA 2022 E O NOVO NORTE DAS MARCAS

“O LUXO MODERNO É ABERTO E COLABORATIVO”

Quem afirma é Marie-Claire Daveu, diretora de sustentabilidade da Kering, empresa-mãe das casas de luxo Gucci, grife dirigida por Demna Gvasalia pertence ao conglomerado de luxo Kering, que também detém as etiquetas de moda Balenciaga, Alexander McQueen, Bottega Veneta, Saint Laurent e Brioni, todas sediadas na Europa. Marie-Claire, uma voz potente em toda a indústria da moda, recentemente compartilhou, na COP26 – Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, sua visão de quais os rumos que a moda precisa tomar em resposta à crise que todos enfrentamos.

“O modelo clássico de fazer, pegar e desperdiçar é inaceitável. Em vez disso, a sustentabilidade deve ser construída no próprio DNA da estratégia de uma empresa. Não é uma restrição para a criatividade – se você a apresentar como tal, matasse o potencial. É uma oportunidade, um convite para ser melhor, agora solicitado por clientes e investidores.”

A moda é uma das indústrias mais poluentes do mundo. Essa pode ser uma verdade incômoda para se confrontar, mas é um fato que deve ser abordado com urgência. Estima-se que 10% das emissões globais de carbono vêm da indústria da moda em geral, enquanto cerca de 48% da cadeia de abastecimento da moda está ligada ao desmatamento. Enormes quantidades de água são consumidas pela indústria anualmente, e os cursos de água do mundo estão poluídos em todos os estágios da cadeia de valor. A verdadeira mudança pode acontecer ao focar em uma abordagem radical para a conservação da biodiversidade e os benefícios múltiplos da agricultura regenerativa, mudanças imediatas e positivas para a natureza e o clima são possíveis – especialmente nas principais cadeias de suprimento de matéria-prima da moda para algodão, lã, caxemira e couro. Isso não só mudará as regras do jogo na moda, mas a agricultura regenerativa é uma virada de jogo fundamental para o futuro.

“Com todos os recursos e privilégios das grandes empresas e conglomerados, temos a responsabilidade de compartilhar as melhores práticas. Devemos apoiar e orientar pequenas empresas. Nossa contabilidade de Lucros e Perdas Ambientais (EP&L) foi projetada com isso em mente, qualquer empresa pode acessar a metodologia para obter novos insights sobre seus negócios.”

Sem dúvida, a sustentabilidade não é mais uma tendência, mas um movimento já estabelecido e que cresce a cada dia. Este deverá ser o novo Norte de toda a cadeia produtiva da moda. O esforço das marcas em comunicar isso ao consumidor é uma questão de comunicação institucional. Muitas marcas aqui e na Europa já estão engajadas nesse conceito. Até 2023, todas as roupas vendidas na União Europeia deverão carregar uma etiqueta sustentável, a fim de ajudar os consumidores a classificar as informações a respeito da origem dos materiais com os quais foram fabricadas. A medida segue uma agenda de mudanças em prol do meio ambiente adotadas pelo bloco econômico. Marcas como H&M, C&A, Inditex, Nike e Lacoste e outras de origem europeia poderão opinar quanto a quais informações serão dispostas.

Veja a seguir as apostas para 2022 das marcas que já seguem este conceito:

A Gucci é uma das marcas de luxo  pioneiras que investiram na redução de carbono “carbon free”, comprometendo-se com projetos de conservação florestal. Em 2020, a coleção cápsula Gucci Off the Grid que faz parte da iniciativa chamada Gucci Circular Lines, projetada pelo diretor criativo Alessandro Michele, que visa o uso de materiais têxteis regenerados, focou em roupas genderless (sem identidade de gênero) e acessórios esportivos feitos de materiais reciclados, orgânicos ou de base biológica!

A Burberry apostou na inovação do quesito upcycling (reutilização criativa) e investiu em roupas e acessórios feitos de náilon reciclado a partir de redes de pesca, retalhos de tecido e bioacetato (itens reinventados do verão de 2020). Todas as peças possuem pelo menos um selo de qualidade sustentável e são produzidas em fábricas que investem em programas de redução de consumo de água e energia. A moda sustável tem sido um ponto importante para a grife, tanto que até disponibilizam o relatório anual de produção para o público e seus consumidores.

Re Burberry sustentável

A Uniqlo, marca que nasceu no Japão, trabalha o conceito de moda essencial e universal. Eles apostam em cores e materiais mais perenes com peças que durem mais de uma estação com cartela de cores para o segmento casual masculino Outono Inverno 2022.

Vitrine da marca Uniqlo em Milão com jaquetas e coletes em tecido fleece, conforto e atemporalidade para o Outono/Inverno 22.

As roupas desta temporada recém digitalizadas do mundo da moda passaram por várias adaptações pós pandemia, mas o conforto e a praticidade com estilo, continuam e se tornaram o foco principal das coleções.

Ermenegildo Zegna / Givenchy

Ternos, mas não como você os conhece – A maioria dos designers renunciou à alfaiataria clássica nesta temporada e muitos decidiram mostrar uma forma mais adequada para a vida confinada. Costumes de duas peças em tecidos confortáveis e que não amassem, assim como a malha, ganham ares modernos e práticos.

Brione / Burberry / Commission

A ascensão do chique day-spa – o diretor criativo da marca Ermenegildo Zegna, Alessandro Sartori dedicou toda a sua coleção à elegância do roupão, exibindo casacos e blazers com corte sem forro, em malhas macias; na Fendi, Silvia Venturini Fendi apresentou casacos recortados em tecido acolchoado; e na Louis Vuitton, Abloh mostrou o que parecia ser roupões de verdade usados ​​na passarela por modelos segurando xícaras de café e jornais da marca LV.

O roupão estiloso de Louis Vuitton.

O retorno do sobretudo – o trench coat volta ao velho estilo básico das gabardines originais usados ​​por oficiais militares. O melhor das trincheiras desta temporada pode ser encontrado na Louis Vuitton, Dries Van Noten e Fendi. Porém, em caso de dúvida, vá com a clássica Burberry.

Trench coat Burberry em três versões e a releitura de Fendi.

Saias Kilt com calça – forte tendência do Inverno 2022. Assim como a Burberry, a Louis Vuitton, Virgil Abloh também ousou, desfilando uma série de modelos vestindo saias com kilt de linha A sobre calças.

O superastro da Fórmula 1, Lewis Hamilton usou um kilt xadrez azul cobalto Burberry no grid enquanto se preparava para o Grande Prêmio da Turquia. Ele usou com calças da mesma grife. No circuito de esporte extremamente machista como a Fórmula 1, é nada menos que muito estiloso e corajoso.

Pólos de malha para viagem Apresentando todos os elementos necessários de uma camisa clássica (golas, carcelas, botões) mas sem o desconforto do amassado, feito tanto em cashmeres mais pesados e tons brilhantes na Jil Sander e Prada quanto em construções mais leves e suaves na Fendi e Hermès.

Há muitas razões para se vestir bem, com conforto e estilo, mesmo em casa que também virou ambiente de trabalho!

Veja esta matéria na revista Onne & Only!

Angélyca La Porta – Consultora de Imagem e Estilo

SEMANA DE MODA MASCULINA E O NOVO NORMAL – PRIMAVERA 2022

A pandemia ainda causa reflexos em todo o mundo. Em tempos de “vida normal”, este ano, as marcas tiveram mais liberdade para desfilar suas coleções. Apesar das apresentações ainda serem, predominantemente em formato virtual e rodando em horários oficiais, exploram muito bem a criatividade, tanto em colabs com marcas e celebridades em suas criações, como em locações incríveis exibindo verdadeiros shows de arte nas Semanas de Moda.

Dolce & Gabbana – Primavera 2021/22.

A nova temporada de roupas masculinas para a Primavera/2022 traz a alfaiataria com ares mais descontraídos, modelagens mais folgadas nas calças e bermudas em tecidos nobres e frescos como linho, cashmere e seda combinados à looks esportivos no conforto despretensioso de jaquetas e casacos. Estampas clássicas como xadrez, quadriculado, póa preto e branco, ganham um lugar cativo no closet dos homens com um visual moderno e em combinações nada convencionais. A cartela de cores vai desde o tradicional preto, marinho, branco e bege em conjuntos, muitas vezes monocromáticos, como em combinações com cores cítricas e contratantes.

Versace – Primavera 2021/22.

A seguir, o que pensam algumas das grandes marcas para a Primavera de 2021/22:

ARMANI X ELEGÂNCIA X CONFORTO

Giorgio Armani – Primera 2021/22

Conhecido pela elegância impecável dos seus trajes, Armani apresentou uma coleção com ares de “o novo normal”. Desconstruiu sua silhueta formal, mas sem cruzar para o território do preguiçoso com uma modelagem mais solta, lembrando como eram as roupas esportivas antes de meados do século. “A atitude geral é muito leve, porque acho que todos nós aprendemos a ser informais e mais relaxados na maneira de nos vestir”, explicou Armani. Ele se posicionou contra o terno convencional, oferecendo às novas gerações – assim como às antigas – um código de vestimenta atualizado para viver: “De certa forma, a pandemia provou que minha intuição de um estilo atemporal e sem esforço sempre foi valiosa. E é exatamente isso que gostaria de transmitir com esta coleção: uma ideia de conforto que está mais em sintonia com os tempos que vivemos ”, explica Giorgio Armani.

Uma aposta certeira de roupa versátil, confortável e cheia de estilo que já ganhou muitos adeptos, tanto para o trabalho, como para home office!

FERRARI X MODA HYPE

A famosa marca do automobilismo italiano, conhecida por competir no circuito de Fórmula 1 desde 1952, estreia em um circuito tão rápido e cruel que faz a F1 parecer contida: o circuito da moda. Projetada por Rocco Iannone – que começou sua carreira na Dolce & Gabbana, Giorgio Armani e, posteriormente, na Pal Zileri – esta primeira coleção de moda da Ferrari com 52 looks, dos quais 80% são unissex, foi mostrada na cidade natal da Ferrari, Maranello, Itália, na linha de montagem onde seus artesãos automotivos são normalmente empregados para conectar poderosos motores V12 a 812 GTS esculpidos à mão. Iannone integrou tecidos (como fibra de carbono) e silhuetas inspiradas pela anatomia e cores do catálogo automotivo da Ferrari. Parceiros como Puma e Ray-Ban forneceram tênis e óculos escuros com motivos reconhecíveis da marca.

Para os amantes do automobilismo, esta é uma combinação e tanto, digna de colecionador!

BRIONI X BRAD PITT

Brad Pitt – Brioni Primavera 2021/22.

A marca romana de alfaiataria de luxo Brioni colaborou Brad Pitt em uma nova coleção cápsula para Primavera 2022, ousadamente refinada, tanto quanto o próprio superastro de Hollywood. Desenhada pela primeira vez pelo mesmo ator em 2020. Intitulada “BP Signature”, a cápsula consiste apenas no tipo de peças que Pitt realmente usaria, incluindo um terno grafite de dois botões, uma jaqueta esporte de cashmere, um suéter pólo de manga comprida leve também em cashmere, um suntuoso casaco sem forro para automóvel e um casaco de veludo com calças de lã e uma camisa de noite de algodão ultrafino. Realmente peças bem versáteis para o guarda roupa masculino.

Já para a coleção de Primavera, a marca trouxe o casual chic com o frescor do linho, lã fria e seda. Camisas em linho inglês, jaquetas desconstruídas com a melhor cashmere e linho, agasalhos em nobuck repelente a água com tratamento de lótus. Um luxo básico!

Brioni Primavera 2021/22.

Veja essa e outras matérias também na minha coluna de Moda Masculina da Revista Onne & Only – Onne Mann.

https://onnedigital.com.br/coluna/22/semana-de-moda-masculina-e-o-novo-normal/

Não esqueça: a escolha de um look, qualquer que seja o estilo, tem a ver com sua Personalidade, Postura e Atitude! “Investir na sua Imagem é refletir aquilo que você quer projetar e reforçar na sua marca pessoal.” – Angélyca La Porta, Consultora de Imagem e Estilo. 

O Poder da Imagem – Homens, Cabelos, Barba – Mudança no Visual

Às vezes, pequenas mudanças no visual, provocam grandes transformações na autoestima!

Qual Estilo combina com você?

Do corte zero para ocultar a calvice a uma barba bem aparada, rente ou desenhada com cavanhaque, deixa o visual um charme!

Ainda super em alta, o estilo lenhador ou mesmo com o rosto liso, são mudanças significativas na imagem!

A Consultoria de Imagem ajuda você a descobrir essa nova identidade.. seu novo Estilo! Ao se olhar no espelho e gostar do que vê e se adaptar a novos direcionamentos que a vida impõe! Como posso te ajudar?

Angélyca La Porta – Consultoria de Imagem e Estilo

O Poder da Imagem – Mulheres Cabelos Brancos, Mudança no Visual

Muitas vezes nos acostumamos com a nossa imagem no espelho e nem percebemos as mudanças sutis do tempo.. nos condicionamos a manter aquela mesma imagem de uma, duas ou três décadas atrás!

Mas como saber qual a hora de mudar o nosso visual?

A Consultoria de Imagem ajuda você a descobrir essa nova identidade.. seu novo Estilo! Ao se olhar no espelho e gostar do que vê e se adaptar a novos direcionamentos que a vida impõe! Como posso te ajudar?

Um bom corte de cabelo rejuvenesce o visual! A autoestima agradece!

Para manter o cabelo branco bonito, brilhoso e sem com que ele fique amarelado não é fácil, por isso selecionamos três dicas para arrasar:

1 – Não deixe ficar amarelado:
Conheça Rinsagem, um tonalizante de cor acinzentada que tem o intuito de envernizar os fios. Por não ter amônia, tira o aspecto de amarelado do cabelo.

2 – Hidratação é fundamental:
Como a melanina também interfere na elasticidade e maciez do fio, o cabelo branco tende a ser mais ressecado do que os coloridos. Por isso, é necessário redobrar a atenção e investir sempre em hidratações e produtos que tenham ingredientes nutritivos na sua fórmula.

3 – Proteja os fios do sol:
Os raios uv não são prejudiciais somente à pele, comprometem também saúde capilar. Os fios brancos têm a tendência a amarelar e isso pode ser potencializado pelo sol. Portanto, proteja-o com cremes com essa funcionalidade e invista em chapéus ou bonés que ainda vão proporcionar a você um visual muito estiloso.

Espero que tenha te ajudado.  Se precisar é só me chamar, ok!?

Angélyca La Porta – Consultoria de Imagem e Estilo

Falando de Estilo Tears For Fears – Como envelhecer com Estilo

A Consultoria de Imagem é uma fotografia do visual do momento!

No decorrer dos anos vamos mudando o visual de acordo com o amadurecimento da idade e das circunstâncias da vida.

Aproveitando o aniversário de lançamento dos maiores sucessos da banda Tear For Fears, em uma linha do tempo com mais de três décadas, desde a formação dos integrantes, o estilo de vestir vem mudando e revelando o comportamento de cada geração!

Hoje as décadas de 80, 90 e recentemente início de 2000, tem sido fonte de inspiração para muitos estilistas, tornando-se referência de estilo  e comportamento de grandes marcas.

Um rápido resumo sobre a história da banda

Tears for Fears é uma famosa dupla britânica de gênero synthpop/new wave criada em 1981 pelos músicos Roland Orzabal (vocalista e guitarrista) e Curt Smith (vocalista e baixista). Ambos são britânicos e amigos desde adolescentes.

Roland teve uma infância um tanto conturbada com o pai. Na adolescência, após fracasso da primeira banda, passou a frequentar uma terapia com base no Grito Primal, do psicanalista americano Arthur Janov. O método leva o paciente a reviver e exprimir os sentimentos que podem ter sido oprimidos no passado. A Terapia Primal deu origem ao nome do grupo que viria logo em seguida –”Trocar Medos Por Lágrimas”. Janov foi o inventor da “terapia primal”, um tratamento que encoraja o paciente a explorar seus próprios traumas da infância, senti-los novamente e depois expressar essa dor suprimida. A forma de libertar essa angústia acontece, literalmente, pelo “grito primal”. Os membros do Tears for Fears sentiram que seus pais, nas palavras do hit “Pale Shelter”, não lhe deram amor. Em vez disso, foi-lhes dado um “abrigo pálido”.

Os dois tinham bons motivos para se sentirem assim. “Viemos de lares destruídos. Nós dois fomos criados apenas pelas mães, mais ou menos”, disse Smith. Eles se conheceram aos treze anos, quando Orzabal ouviu Smith cantando uma música do Blue Öyster Cult e ficou impressionado o suficiente para sugerir que fizessem uma pequena colaboração juntos.

“Nós éramos moleques seguindo tendências, e as tendências naqueles dias eram muito poderosas”, recorda Orzabal, contando que, de mods, começaram a se vestir de preto e criar um caso de amor com baterias eletrônicas.

Tendência anos 80: calça cintura alta com cinto duas voltas, jaqueta jeans, camiseta e jeans black.

            No ano de 1981, Roland e Curt conheceram Manny Elias e Ian Stanley, baterista e tecladista, respectivamente. Nasceu, então, o Tears for Fears. A banda alcançou grande destaque no cenário musical por juntar som eletrônico com rock, fazendo excelente uso de teclados e sintetizadores.

            Em 1983, os músicos gravaram o primeiro disco, chamado The Hurting. Para Smith, compor o The Hurting “ foi realmente um jeito de sair do nosso sistema”, foi pegar os sentimentos de abandono, rejeição e raiva, e transformá-los em algo ativo. Esse é um disco para qualquer um que já se sentiu preso por suas emoções e pelo desespero que existe quando você não pode escapar de certas lembranças, sejam elas derivadas de suas memórias da infância ou não. Três canções do álbum conquistaram o Top 10 das paradas britânicas: “Mad World”, “Change” e “Pale Shelter”. Na faixa “Idea As Opiates”, é possível notar a grande influência do psicanalista Janov.

            Maior sucesso ainda veio dois anos depois, em 1985, com o álbum intitulado Songs From the Big Chair. A banda vendeu mais de dez milhões de cópias e os sucessos “Everybody Wants to Rule The World” e “Shout” ficaram no primeiro lugar entre as mais tocadas nos Estados Unidos. Em 1987, Tears for Fears tornou-se uma dupla, formada apenas por Roland e Curt.

            Conseguindo superar o triunfo do LP anterior, em 1989 foi lançado o disco Seeds of Love, preferido dos fãs. Nele estão os hits “Sowing the Seeds of Love”, “Advice for the Young at Heart” e “Woman in Chains”. Os holofotes foram tantos que fizeram com que Curt Smith não suportasse a pressão e saísse da dupla, em 1990.

            Sozinho, Roland Orzabal seguiu carreira solo ainda usando o nome Tears for Fears e lançou os álbuns Elemental, em 1993, Raoul and the Kings of Spain, em 1995 e Saturnine Martial & Lunatic, em 1996. Nenhum dos três discos, contudo, foi tão notado quanto os anteriores.

Roland Orzabal em carreira solo.

            No ano 2000, Smith voltou a trabalhar com Orzabal, divulgando, em 2004, o disco Everybody Loves a Happy Ending – tendo como primeira faixa a canção que leva o mesmo título do álbum.

Trinta anos depois e ainda é algo que a banda passa ao fazer performances ao vivo. “Às vezes, quando você está cantando alguma dessas músicas, você se obriga a mudar os arranjos, porque você não se sente mais da mesma forma”, disse Smith.

Atualmente, o processo de criação das músicas é muito menos carregado para Orzabal. “As memórias desaparecem, mas as cicatrizes ainda permanecem”, disse Smith das músicas cantadas. Bem, as memórias são boas agora. Ambos são pais e eles também parecem felizes, livres dos traumas expostos no The Hurting. Os dois acreditam que agora, ao contrário do que Janov pensava, a personalidade faz parte de uma grande extensão determinada pela natureza e que é possível seguir em frente depois de uma infância difícil. Como o Orzabal coloca, “coisas como depressão e raiva são muito naturais. É só uma questão de saber colocá-las em contexto”.

Infelizmente o último show deles foi em 2019! Mas estamos ansiosos aguardando.. E que venham novos shows!

Uma breve Análise de Estilo de Roland Orzobal da banda Tears For Fears.

“Raoul” Jaime Orzabal de la Quintana, descendente de ingleses (por parte da mãe) e de argentinos e espanhóis (por parte de pai argentino de Buenos Aires) é co-fundador da banda, principal vocalista, compositor e produtor musical, embora também tenha obtido sucesso como produtor de outros artistas. Orzabal é considerado pela mídia internacional e por vários artistas de renome mundial como um dos maiores músicos de toda a história do Reino Unido.

Para entender um pouco sobre o processo criativo desse músico, a história da sua infância foi um tanto conturbada. Enquanto Roland tinha três anos, George Orzabal decidiu abrir uma agência de entretenimento fora de casa com a mãe de Roland, que era uma dançarina. Nós tínhamos todas as espécies de pessoas dentro da nossa casa o tempo todo. Cuspidores de fogo, contorcionistas, o logro, acrobatas e muitos músicos. Especialmente guitarristas, os quais me influenciaram a tocar.” Quando Roland tinha mais ou menos 9 anos, recebeu uma guitarra de um mestre músico. Os pais de Roland tinham um relacionamento tumultuoso, e o cenário de brigas seguido de violência era um periódico tema na casa dos Orzabal, de acordo com Roland. Por vezes, o temperamento explosivo de George Orzabal era direcionado a seus filhos. Nesse mesmo ano, sua mãe tendo conseguido dinheiro suficiente, criou coragem para deixar o marido. Margaret e seus três filhos partiram no meio da noite, para o alívio do jovem Roland. As experiências da infância de Roland seriam refletidas em suas músicas por anos. Com esse histórico, Orzabal sofria de depressão. Fazia terapia na adolescência. A música foi sua catarse para expressar suas angústias: “Quando eu era um garoto, escrever era algo extremamente pessoal, e agora já não é mais”, diz ele. Nunca nada é suficiente ou suficientemente bom para ele. “Para criar, tenho que destruir”, diz.

Foi da dor que saíram todos os álbuns da banda — da infância (“The Hurting”), da procura do sucesso (“Songs”), da sua destruição (“Seeds”), da separação (“Elemental”) e do casamento (“Raoul”) — mas desta feita, da dor resultou um arco-íris.

Mostra que toda aquela amargura ficou para trás. O que infelizmente não aconteceu. Novamente outro baque acabou abalando o Roland, o falecimento da sua esposa em 2017. Apesar da sua dor, ele voltou a se apresentar poucos meses depois em turnês que já estavam agendadas. Aos poucos se recuperando, a vida o surpreende com um novo amor.

Roland usou os cabelos crespos cacheados na maior parte da sua vida. Tingiu os cabelos até por volta dos 57 anos (2018). Em 2019 em diante, resolveu se libertar da imagem de quando era jovem e resolveu deixar os brancos aparentes. O resultado foi um cabelo mais displicentemente arrumado, liso, com corte médio, fios mesclados e barba rente. Resultado: ele ganhou uma imagem moderna, mais jovial e muito charmosa!

Dicas e sugestões para quem está nessa fase:

– Caso você esteja usando algum tipo de tintura para desfarçar os cabelos brancos, procure mesclar os fios brancos com os originais com mechas “contrárias” (vale também para sobrancelhas!). Evite tingir com tinturas que deixam os brancos amarelados! Veja o vídeo que eu compartilhei no meu feed do Instagram sobre uma mudança no visual masculina. Excelente exemplo de cabelo masculino de corte médio com mechas naturalmente claras! ( clique no link aqui ao lado ou embaixo: @angelycalaporta )

– O uso de barba (independente de estar branca ou não) pode redesenhar os contornos do rosto e dar um charme no visual. Mas deve ser muito bem pensada, caso contrário pode deixar sua imagem cansada ou desleixada.

– Caso os cabelos brancos sejam maioria, um bom corte pode dar um charme especial, modernizando e até rejuvenescendo o seu visual! Para isso o ideal é a assessoria de imagem para analisar a melhor escolha!

Uma breve Análise de Estilo de Curt Smith da banda Tears For Fears.

Curt Smith passou a usar os cabelos com gel desde os anos 90. A partir dos anos 2000, ele mudou a cor dos cabelos, descolorindo os mesmos. Usou um corte bem rente, com franja curta, como era usado na época. Um tempo depois, passou a adotar as laterais e nuca raspadas, deixando a mostra seus fios brancos. Ficou com um visual moderno, bem prático e super charmoso! Ele não é adepto do uso da barba.

Dicas e sugestões para quem está nessa fase: 

– Quando os fios brancos passam a ser maioria, um bom corte pode dar um charme especial, modernizando e até rejuvenescendo o seu visual! O ideal é cortar bem rente com um leve topete para não achatar a testa. Claro que depende do tipo cabelo, quantidade e formato de rosto. Para isso o ideal é a assessoria de imagem para analisar a melhor escolha!

Estilo é algo que não se pode imitar, cada um tem o seu conjunto de identidade visual, assim com sua personalidade. Você pode se inspirar em seus ídolos e construir seu próprio Estilo.

Se precisar, é só chamar que será um prazer em te assessorar!

Angélyca La Porta – Consultora de Imagem e Estilo.


História da banda:

Fonte 1: http://m.tearsforfearsbrasil.webnode.com/historia/

Fonte 2:

http://rapsodia-boemia.blogspot.com/2016/08/roland-orzabal-o-genio-esquecido-da.html?m=1

Fonte 3: https://www.antena1.com.br/artistas/tears-for-fears

Looks emblemáticos na posse de Joe Biden

Looks monocromáticos nos vestidos, sobretudos, ternos e calças, marcam a posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos nesta quarta-feira (20) com mensagens emblemáticas como o fim da cultura do desperdício e da inclusão de estilistas negros e imigrantes.

O Presidente Joe Biden e Doug Emhoff, marido de Kamala Harris, optaram pelo estilista americano Ralph Lauren, um dos ícones da moda no século XX.

A primeira-dama Jill Biden optou por um conjunto azul oceano que significa “crença, confiança e estabilidade”, segundo  a americana Alexandra O’Neill, estilista e fundadora da marca Markarian em 2017. Como detalhe glamoroso, o casaco era adornado com cristais Swarovski, que faziam a nova primeira-dama brilhar. O’Neill apoia o consumo sustentável na moda e redução do desperdício. A estilista costuma vestir estrelas de Hollywood Usar essa cor em dia de posse não é novidade para as primeiras-damas dos Estados Unidos. Melania Trump e Jackie Onassis optaram por conjuntos azuis para suas respectivas posses em 2017 e 1961, respectivamente.

Michelle Obama, Kamala Harris, Hillary Clinton aderiram à tonalidade roxa.

A vice-presidente Kamala Harris combinou um vestido roxo do jovem estilista negro, Sergio Hudson, da Carolina do Sul com o agasalho longo da mesma cor de outro jovem estilista negro em ascensão em Nova York, Christopher John Rogers de Baton Rouge, Louisiana . Rogers costuma trabalhar com mulheres negras e já vestiu Rihanna, Cardi B e a ex-primeira-dama Michelle Obama. O colar de pérolas usado por Harris é do designer porto-riquenho Wilfredo Rosado.

Michelle Obama, a ex-primeira-dama, vestiu um look monocromático na cor bordô com sobretudo, blusa de gola alta, calças largas e um cinto com fivela dourada, marca registrada da última coleção do estilista Sergio Hudson. Já Hillary Clinton apostou em terninho Ralph Lauren na cor roxa.

Em um sentido mais literal, roxo é a mistura de vermelho e azul; em termos políticos, representa o bipartidarismo – a união de republicanos e democratas. O motivo para isso é simples: em um boletim informativo de 1913, do Partido das Mulheres da Nação, a organização escreveu: “Roxo é a cor da lealdade, constância ao propósito, firmeza inabalável a uma causa”.

A cantora Lady Gaga também aproveitou o look para passar uma mensagem aos americanos. Com um vestido preto e vermelho, acompanhado de um broche dourado com o símbolo da paz, Gaga disse que deseja união para um país polarizado: “uma pomba carregando um ramo de oliveira. Que todos nós possamos fazer as pazes uns com os outros”, escreveu. O vestido é da casa Schiaparelli Haute Couture, do diretor criativo Daniel Roseberry.

Toda de branco, Jennifer Lopez cantou durante a cerimônia com várias peças da Chanel. A escolha da cor foi vista como uma homenagem ao traje típico das sufragistas, movimento de mulheres que lutou pelo direto ao voto.

“Que todo esse movimento e essa nova fase seja pela paz Mundial e a Liberdade de Expressão tão desejada por todos!”

Vamos torcer por isso!🙏